Tome decisões importantes!

Como vai?

Eu não tenho dados para tomar essa decisão!

Você já se pegou nessa situação, de acreditar que não tem dados o suficiente para tomar uma decisão importante? Ou já ouviu de alguém da sua equipe essa frase?

É muito comum que nós busquemos todos os dados possíveis para tomar a decisão mais segura possível, para termos o melhor resultado para a nossa empresa.

No entanto, conseguir validar todas as hipóteses para tomar uma decisão segura, buscar todas as informações necessárias, perguntar a todos os envolvidos, etc. pode ser muito demorado, pode atrasar uma decisão que precisaria ser tomada para ontem, e, além do tempo, pode ser muito caro!

Se uma empresa quer lançar um novo produto, ou uma startup quer dar início no mercado, ela precisa sim ter uma certa segurança, validar alguns pontos importantes. Mas se ela busca desenvolver o produto perfeito para o seu cliente, buscar todas as validações possíveis para o seu negócio, ela já terá gastado muito tempo e dinheiro, enquanto ela ainda não teve nenhum retorno, ou que um concorrente possa ter saído na frente e lançado primeiro. Isso se torna insustentável!

Porque você acredita que o seu aparelho celular está sempre solicitando atualizações? Porque a marca busca ser competitiva, e para isso ela precisa ser pioneira! Sendo assim, ela não pode desenvolver, testar e aperfeiçoar todas as funcionalidades até estarem perfeitas antes de lançar o aparelho, ou ela demoraria anos para o lançamento, ou até mesmo nem lançaria, pois estamos constantemente pensando em melhorias a serem feitas.

Por isso eles precisam tomar a decisão de lançar o produto, mesmo necessitando de melhorias. Assim não perdem a competitividade de lançarem novidades no tempo certo, ao mesmo tempo que vão melhorando o produto, à medida que recebem reclamações e feedbacks.

Mas como decidir qual o momento certo? Como devo me basear para tomar diferentes tipos de decisões?

Nem sempre a decisão difícil é relacionada à desenvolver um novo produto, podem ser questões do dia a dia. Para isso, o nosso cérebro possui 3 engrenagens que são usadas em diferentes situações. São elas: a experiência, a intuição e a razão.

  1. A experiência

Todas as experiências que temos em nossas vidas são armazenadas em nosso cérebro. Viver é aprender, não é mesmo? O cérebro armazena essas experiências no sistema de recompensas, registrando os momentos que trouxeram prazer ou alguma frustração, para serem usados futuramente.

A utilidade desse armazenamento é justamente o momento em que você precisa tomar uma decisão importante e busca em seu subconsciente a melhor maneira. Como um jogador de futebol ao chutar para o gol, qual a melhor maneira? Ele vai na sorte?

Não, ele praticou várias vezes aquela jogada, ele resgata em seu subconsciente qual foi a forma que lhe trouxe prazer, é dessa forma que ele vai agir nessa situação.

E é assim que você deve agir em sua empresa. Nem sempre você precisa buscar dados que evidenciem aquele pensamento, você já viveu a situação de adquirir ou não um novo fornecedor, de contratar ou não um funcionário, e a forma rápida de escolher o caminho é usar a sua experiência, usar aquela que te trouxe uma satisfação previamente.

  1. A intuição

O instinto é um mecanismo natural do nosso corpo, ele dispara impulsos necessários para a nossa sobrevivência. Geralmente muito utilizado em estados de alerta, em que ficamos paralisados, mas os nossos instintos agem. Como um momento de competitividade, de risco, de buscar alimentos.

A intuição ajuda na tomada de decisões imediata! Ela age naquele momento que não temos tempo em analisar as possibilidades e tomar uma decisão racional. Por exemplo, um cliente está muito insatisfeito com a sua marca e o seu atendimento e está no telefone, muito estressado e quer falar com o gerente, como você vai agir? Nesse momento o seu cérebro avalia a situação e age de acordo com a sua intuição.

  1. A razão

Por último, a razão é a forma que garante que você vai tomar a decisão certa! Ela ativa a região do cérebro chamada córtex pré-frontal, ela é ligada ao nosso comportamento, aos pensamentos complexos e raciocínio lógico. Ele é ativado para fazer comparações, para tomar uma decisão complexa, o cérebro vai comparar as consequências de cada decisão, buscar qual será a mais vantajosa.

Essa frieza em analisar situações difíceis é necessária pensando ao longo prazo, quando você pensa no futuro da sua empresa é necessário entender o impacto de cada decisão. Nesse caso você usa a razão. Entender a viabilidade do lançamento de um novo produto, por exemplo, você não vai utilizar apenas a sua intuição, assim o risco será muito alto.

A razão se faz necessária para entender se é o momento certo para um lançamento, se a sua equipe tem maturidade o suficiente, se a sua empresa tem recursos o suficiente, se o seu público realmente deseja aquele produto. Nesse momento você precisa comparar o impacto em cada um dos setores.

Se torna fácil se separarmos dessa forma, não é mesmo? Mas sabemos que no mundo real essas coisas se misturam, e nem sempre conseguimos avaliar todos os impactos do lançamento de um produto, não tenho dados e informação o suficiente para entender esse impacto, o que eu faço? Simplesmente fico estagnado?

Não! É hora de colocar em prática as três engrenagens para funcionarem, uma vai alavancar a outra. Se você não tem dados para provar que sua equipe tem maturidade o suficiente, você vai usar a experiência que tem com eles há mais tempo. Quando você deu um desafio diferente do que eles estavam acostumados, eles performaram bem? Se sim, ótimo, é uma evidência. Se não, talvez esteja na hora de trabalhar o treinamento da sua equipe primeiro.

Não existe uma receita de bolo para a tomada de decisões, mas de uma coisa eu sei: ficar estagnado custa muito mais caro, tem muito mais consequências do que agir!

Sabe aquela frase: o não você já tem? É exatamente isso! Não espere ter todas as respostas para agir, busque o mínimo suficiente e saia do lugar!

Uma empresa que toma decisões vai muito mais longe do que aquela que analisa todas as possibilidades e ficam estagnadas. Você está tomando as decisões importantes sobre a sua empresa?

Posted in Blog.